ConcelhosRegiões

DOURO vence em Bruxelas e é a Cidade Europeia do Vinho 2023

Cidade Europeia do Vinho 2023
All Aroud Wine, All Around Douro foi o lema da candidatura do Douro a Cidade Europeia do Vinho 2023, que orgulhosamente assumimos como um desiderato primordial na garantia do presente e do futuro do nosso território”, palavras do Dr. José Manuel Gonçalves, Presidente do Município do Peso da Régua no início do seu discurso de apresentação da candidatura, em Bruxelas. Em abono da verdade, diga-se, não foi só brilhante, foi também convicente e como se constatou ganhador …

Douro venceu hoje, em Bruxelas, a candidatura “Cidade europeia do Vinho 2023”. O Douro Património da Humanidade será, assim, uma referência europeia no vinho, na vinha, na cultura e na celebração harmoniosa da natureza e obra secular realizada por gerações de durienses.

“All Aroud Wine, All Around Douro foi o lema da candidatura do Douro a Cidade Europeia do Vinho 2023, que orgulhosamente assumimos como um desiderato primordial na garantia do presente e do futuro do nosso território”, palavras do Presidente do Município da Régua no início do discurso de apresentação, esta manhã, em Bruxelas.  

Esta candidatura é um dos maiores desafios coletivos que o Douro já assumiu em toda a sua História, materializando o desejo e o pulsar de toda uma região.

Nesta candidatura materializamos também a vontade de um território que é, segundo Miguel Torga, “a realidade mais séria que temos” em Portugal. Uma realidade que é “um excesso da natureza”, construída com sangue, suor e lágrimas derramados por gerações de durienses.

Foram múltiplas as razões para que a grande região do Douro tivesse vontade de assumir a missão de ser Capital Europeia do Vinho 2023.

Com esta vitória acalentamos o desejo legítimo de que o Douro, um grande contribuinte das exportações nacionais, faça do vinho e da vinha uma alavanca concreta e real para o desenvolvimento da sua economia e riqueza de quem aqui vive e trabalha.

O Douro não questiona o que o país pode fazer por nós, mas afirma a sua disponibilidade para continuar a trabalhar por Portugal. E é nesta incansável missão que estendemos as raízes da nossa autêntica e legitima ambição.

Com esta oportunidade, o nosso território vai transmitir, representar e será uma marca económica, social e cultural com notoriedade, um exemplo de interação harmoniosa do Homem com a Natureza.

Depositamos na essência deste projeto esse espírito autêntico e solidário do Douro, a região vitivinícola demarcada e regulamentada mais antiga do mundo, que este ano está a comemorar os seus 20 anos de Património da Humanidade, um cartão-de-visita Mundial.

Neste processo de candidatura a Capital Europeia do Vinho, apresentaram-se não só todos os municípios integrados na Associação, mas com todas as 19 autarquias que constituem a Comunidade Intermunicipal do Douro.

O Douro é uma região que atravessa um momento difícil, cujos custos de produção de vinho são os mais elevados do País, fruto da orografia das vinhas e agravado pelo aumento dos preços dos produtos indispensáveis à viticultura.

Sendo uma região Património da Humanidade, produtora dos vinhos do Porto e dos DOC Douro, a falta de equilíbrio dos custos de produção face aos valores granjeados com as vendas, impede que esta região conheça a sustentabilidade económica geradora do crescimento e do desenvolvimento.

Esta vitória é uma oportunidade para o Douro atingir esse anseio. Os 19 autarcas da CIMDOURO estão preparados para dar corpo a esta petição, juntamente com as entidades locais e regionais e todos os 22 mil produtores, assumindo a urgência da valorização do nosso produto e trazendo valor acrescentado à nossa região. Só desta forma poderemos garantir uma região equilibrada e com sustentabilidade. Só com este projeto e desígnio poderemos alavancar a nossa estratégia de futuro, poderemos contornar o flagelo da desertificação e acabar com o estigma de Interior profundo a que estamos ingloriamente associados.

Este Douro, terra de inspiração de pintores, poetas e escritores é, como diz António Barreto, antigo Ministro do Comércio, Turismo, e da Agricultura e Pescas “a memória de todos, o fio condutor de gerações. O vinho está presente de modo mais indelével que seja: nas consciências e nos sentimentos. Mas também reina na paisagem, naqueles formidáveis socalcos que, montanha acima, acabaram por lhe dar forma e feitio”.

Abrir o Douro ao Mundo é ademais outro propósito desta candidatura. A região do Douro, durante décadas a fio, centrou-se apenas e só na produção de vinho.

Hoje o Douro, território de paisagens carismáticas com alma e atitude, com o seu aprazível rio navegável, tem a ambição legítima de trazer o Mundo ao Douro. E será esta descoberta do Douro, esta vivência do Douro in situ que trará mais valias ao que produzimos, ao que aqui criamos, ao nosso vinho, à nossa vinha, à nossa gente.

Esta é uma oportunidade para promovermos o enoturismo, para podermos receber condigna e amplamente os visitantes, para mostrarmos o vinho como elemento estratégico e essência da nossa atividade económica.

O Douro, património consagrado e aclamado à escala mundial, está preparado para o desafio. Um desafio que passa pelo crescimento turístico, assente no vinho, na vinha, na paisagem e no património.

É nossa ambição fazer esse trabalho em prol do Douro, dos 22 mil produtores e de todos quantos persistem em manter os socalcos e estes jardins que são Património Mundial da Humanidade. O nosso compromisso, o desígnio dos 19 autarcas que incorporam esta candidatura, é deixarmos uma marca determinante e merecida neste território.

Termino citando José Saramago, Prémio Nobel da Literatura: no Douro as “montanhas de xisto” foram vencidas porque “o homem pôs-se a fabricar terra, desmontou, bateu e tornou a bater, fez com que se esfarelasse as pedras entre as palmas grossas das mãos, usou o malho e o alvião, empilhou, fez os muros, quilómetros de muros (…) para segurar a vinha, a horta, a oliveira (…) afinal desafiam em força as montanhas e mantêm-nas domesticadas (…) são gigantes pessoas… (…)  O Douro é a oitava maravilha do mundo”.

Somos todos Douro.

comunicacao@cimdouro.pt

De Drª Andreia Gonçalves

N.R. A propósito desta candidatura e ainda com a anterior da Cidade do Peso da Régua a Cidade Europeia do Vinho, um amigo, por sinal homem do Douro e ligado aos vinhos – dizia-me, sem favor o autarca do Peso da Régua, merece já o título de Alcaide da Região Demarcada do Douro …

Fiquei a pensar e concluí – porque não passar tal mensagem aos durienses e, os que pensam, pensarem –

quem melhor? quem mais merecedor? e porquê? Então …

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Veja Também
Fechar
Botão Voltar ao Topo

Adblock Detectado

Por favor desative o Ad Blocker neste site